Visite nossa loja

Clique Aqui

Consumo de frutas e vegetais pode prevenir câncer de mama

0
Estudo publicado em julho pela Universidade de Harvard indica que frutas e vegetais podem prevenir até o desenvolvimento de cânceres de mama mais agressivos

Consumir mais frutas e vegetais pode ser um fator importante para a prevenção do desenvolvimento do câncer de mama, especialmente em mulheres com alto risco de apresentar a doença. Vegetais crucíferos como brócolis e vegetais de cor amarela ou laranja tiveram um impacto significativo na diminuição do risco. Os cânceres mais agressivos são os mais afetados pela dieta saudável.

A descoberta foi feita por pesquisadores da Universidade de Harvard, em estudo publicado no Jornal Internacional do Câncer em Julho de 2018. O estudo contou com a participação de mais de 180 mil mulheres com idades entre 27 e 59 anos e se estendeu por 30 anos.

Os pesquisadores descobriram que mulheres que comem mais do que 5,5 porções de frutas e vegetais por dia tinham um risco 11% menor de desenvolver câncer do que aquelas que comiam menos de 2,5 porções. Eles definiram uma porção como um copo de folhas cruas, meio copo de vegetais crus ou cozidos e meio copo de frutas cortadas ou cozidas.

“Uma dieta cheia de frutas e vegetais é associada com vários outros benefícios à saúde, mas nossos resultados demonstram que as mulheres têm uma motivação extra para incluí-los no seu cotidiano”, diz Heather Eliassen, professora associada da Universidade Médica de Harvard.

Estudos anteriores já demonstraram que um consumo maior de fibras reduz o risco de câncer de mama, mas os benefícios de frutas e vegetais encontrados nesse estudo parecem não ter relação com as fibras presentes nos vegetais.

Para descobrir se o impacto das frutas e vegetais era diferente para os vários tipos de câncer de mama, os pesquisadores conduziram análises utilizando os receptores de hormônios e os subtipos moleculares. Eles descobriram que os maiores afetados foram tumores agressivos como os ER-negativos, enriquecidos com HER2 e basais.

Fonte: Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard

Compartilhar.

Deixar um comentário