Visite nossa loja

Clique Aqui

Em alguns casos de câncer de mama, a crioterapia, técnica usada por Ana Furtado, pode preservar o cabelo durante quimioterapia

0

Recentemente, a apresentadora da Rede Globo, Ana Furtado, contou que descobriu um câncer de mama em estágio inicial. Desde então, tem feito publicações em sua rede social mostrando como funciona alguns processos pelos quais está passando durante o tratamento da doença e, entre eles, a crioterapia -ou Scalp Cooling, como também é conhecida, em inglês – chamou atenção do público.

O uso desta técnica no Brasil foi aprovada pela Anvisa no início de 2015 e ela consiste em resfriar o couro cabeludo durante as sessões de quimioterapia, levando à contração dos vasos sanguíneos e, desta forma, criar uma espécie de capa protetora que preserva os folículos capilares.

Um capacete coberto por um gel em temperatura de 4º C é conectado por meio de um tubo a uma máquina que parece um circulador de ar. Colocado sobre a cabeça do paciente 60 minutos antes da infusão de quimioterapia, a touca permanece em uso durante toda a aplicação do quimioterápico e só é retirada cerca de uma hora depois da administração completa do medicamento. Todo o processo dura em torno de três a quatro horas.

Ela pode ser aplicada em pacientes diagnosticados com outros tipos de câncer, tendo o mesmo potencial de eficácia, mas é importante ressaltar que há restrições.

A contradição acontece para quem tem câncer hematológico (que afeta o sangue), como leucemia e linfoma, além de pessoas que apresentam alergia no couro cabeludo e problemas respiratórios, como é o caso da fundadora do Instituto Arte de Viver Bem (IAVB), Valéria Baraccat Gyy. “Eu tenho rinite alérgica, com sinusite, por isto, não pude fazer este procedimento, além do que, é muito caro, ou seja, inacessível para a maioria da população brasileira”, pondera Valéria.

Logo após descobrir o câncer de mama, perguntou ao médico se seria possível fazer a crioterapia para evitar a queda de cabelo. Mas lidou bem com a notícia, e, inclusive, em 2017, quando sua amiga Laura Wie foi diagnosticada com câncer de mama, Valéria raspou a cabeça para homenageá-la. ” Cabelo cresce. Fiz isso, porque acredito que seja um incentivo para todas as mulheres em tratamento.”, afirma.

Fonte: IG

Compartilhar.

Deixar um comentário